13 fevereiro, 2010

Jovens, Sexo, DSTs, Gravidez Precoce e Igreja

Jovens Já tenho observado algumas vezes, neste blog, que, o verdadeiro teólogo (homem responsável por interpretar as verdades contidas na Palavra de Deus) é aquele preocupado em transmitir a Revelação de ontem para a realidade de hoje.

A mensagem do pregador precisa ser contextualizada, não apenas em relação ao texto bíblico, mas também em relação ao contexto sócio-cultural em que uma geração está vivendo.

Tendo-se isso como premissa, é indiscutível que a realidade atual, enfrentada pelos jovens (e velhos também, por que não?) é muito diferente daquela em que a geração dos que têm mais do que 40 anos viveu, em sua adolescência e juventude.

A juventude de hoje, inclusive a juventude cristã-evangélica não vê mais o casamento como um passo necessário para a iniciação de sua vida sexual (refiro-me, é claro, ao casamento oficializado no cartório, pelo juiz de paz, ainda que esse nunca tenha sido o casamento bíblico).

Pois bem, em virtude de uma grande parte da Igreja e de seus pastores não estarem fazendo a contextualização a que nos referimos, no princípio; e em relação à cultura da primeira década desde milênio ter produzido uma juventude que encara a sexualidade com muito mais naturalidade do que seus pais; porém sem as informações necessárias para a sua prática, o resultado, em alguns casos, tem sido desatroso.

AS CONSEQUÊNCIAS

As consequências (para não se dizer que o que estou dizendo está em minha cabeça) é, infelizmente, empírica e faz parte da experiência de todo pastor, em qualquer lugar deste país, de precisar tratar de casos de meninas adolescentes grávidas, membros de suas igrejas, e de sua contrapartida , os jovens que as engravidaram.

Isso, na melhor das hipóteses. Na pior delas, existem os casos de infecção por DSTs (doenças sexualmente transmissíveis) e por AIDS. o que além do sofrimento para os jovens atingidos, provoca muita dor e constrangimento para as suas famílias.

QUAL É A SOLUÇÃO PARA A QUESTÃO?

A solução, se me permitem ser bastante sincero, é a Igreja deixar de fingir que o problema não existe, porque ele está aí, escancarado. pipocando aqui e ali, dentro de sua "redoma". Não está somente "lá fora", entre "os incrédulos". É preciso despertar para essa realidade.

Os pastores são homens chamados a cuidar de suas ovelhas, e esse cuidado, nos dias de hoje, consiste em ensinar-lhes a Palavra, sim. Mas, também consiste em ensiná-las, sem uma pretensa "santidade" a se protegerem e a se precaverem dos perigos e das feridas que a iniciação numa sexual desprotegida e ignorante pode provocar.

REFLEXÃO

Querido(a) leito(a). Reflita comigo, por favor. Os jovens que hoje estão na faixa entre 12 e 25 anos de idade, aproximadamente, NÃO PRESENCIARAM com capacidade de entender, a fase mais terrível da epidemia da AIDS, na qual 100% dos jovens infectados acabaram morrendo em poucos meses.

Hoje, embora exista um coquetel que prolonga a vida dos soropositivos por um tempo muito além do que 10 anos, AINDA NÃO EXISTE CURA PARA OS DOENTES e o tratamento , além de precisar ser contínuo, é muito difícil, pois altera diversas funções do organismo. A sífilis, o papiloma vírus e outras DSTs também trazem grandes sofrimentos físicos e psíquicos.

Uma gravidez precoce indesejada trará responsabilidades enormes para a jovem mãe e que implicarão, muitas vezes, na destruição de seus mais belos sonhos e planos por toda a vida.

Isso tudo não poderia ser evitado?

Não seria muito mais razoável os pastores deixarem de infligir mais culpa sobre essas pobres ovelhinhas, sob o tacão do legalismo e da falta de misericórdia, ensinado-as a se cuidarem, com o uso de preservativos e da utilização de contraceptivos?

Essa atitute, além de não comprometer a sua santidade, poderá salvar de uma vida dolorosa e infeliz, jovens e preciosas vidas que estão sob seus cuidados.

Tony Ayres

6 comentários:

  1. Celso Martinsfevereiro 15, 2010

    Puxa Pr. Tony o Sr. tocou em um ponto delicado em que muitos(infelizmente) estão "adestrados" pela igreja(pseudo-doutrinas fora da nossa realidade) e não estão nem um pouco interessados na questão, só pensam em avivamentos, vigílias, bençãos,...etc atitudes que demonstram pessoas egoístas que somente visam seus interesses...Parabéns pela lucidez do texto...
    Big Abraço

    ResponderExcluir
  2. Bem-vindo, Celso!

    Obrigado por seu comentário.

    Penso que avivamentos, vigílias e, principalmente, o ensino da Palavra, são tarefas da igreja.

    Porém, a educação a que me referi neste post não pode ser negligenciada.

    ResponderExcluir
  3. Tony obrigado pela visita em meu blog.
    Em relaçao ao texto,concordo sim com voce.
    Mas acho muito complicado tratar de um assunto tao Intimo,talvez devessemos na igreja ter pessoas capacitadas para darem fundamentos biblicos e ensinamento Sexual para estes jovens.

    www.oliveralves.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. hola! Eu realmente gostei deste blog

    ResponderExcluir
  5. Não cabe aos pastores prestar seu tempo a sexualidade.
    O pastor deve sim orientar a palavra de Deus Educação sexual não cabe ao pastor, mas sim o ensino da palavra de Cristo.

    Me desculpe, mas seus argumentos são fracos.

    ResponderExcluir
  6. Justamente porque cabe ao pastor pregar a Palavra de Deus, é que se deve falar sobre sexo. Não se esqueça que Deus criou o sexo e que isto está em várias passagens da Bíblia.
    Por isso, deve sim ser um assunto discutido e com certeza deve receber atenção já que o mundo de hoje passa uma imagem totalmente deturpada e devassa sobre isso.

    ResponderExcluir

Seu comentário será exibido após examinado pela moderação.