28 maio, 2009

DE QUEM É A CULPA?

_42789159_couple_science203Abri a porta do consultório e dei as boas vindas ao casal. Cumprimentaram-me friamente, um tanto constrangidos. Eram bem jovens, os dois, mas eu podia perceber pelo olhar e pelo semblante, que estavam tensos e haviam discutido, no trajeto.

O tanto quando pude, procurei colocá-los à vontade. Aos poucos, fui tomando conhecimento da triste história.Haviam sido muito ricos e vivido com todo o conforto que se pode imaginar. Mas perderam tudo e agora lutavam, desesperadamente, para sobreviver.

À medida que a sessão prosseguia, fui percebendo a dinâmica na qual funcionavam. Era uma dinâmica que se manifestava através do tão humano e tão conhecido mecanismo da troca de acusações.

Ele a culpava por tudo. Dizia-lhe que fora induzido por suas solicitações a investir toda a sua fortuna num mal negócio que ela insistira ser o melhor de suas vidas. O lucro prometido parecia ser imenso.

Ela, exasperada, não aceitava a acusação. Retrucava, veementemente que o responsável havia sido a corretora da bolsa, que lhe enganara com uma falsa indicação. Ela apenas seguiu os conselhos dela. Mas em nenhum momento havia deixado o marido fora disso.

Enquanto eles trocavam farpas, durante todo o tempo em que as acusações eram feitas, eu olhava-os com pena e não podia conter a minha compaixão. Tão jovens ainda. Tão bonitos também.

Mas, incrivelmente, imaturos. Como poderia ajudá-los, sem não eram capazes de assumir a responsabilidade pelos erros que, claramente, tinham tido participação os dois?

"Foi você que comeu aquela fruta e causou a nossa miséria" – dizia ele. "Mas você também provou dela, lembra-se disso?" – respondia ela, entre irônica e irritada.

"Foi sua culpa, Eva, admita logo!" – ele se exasperava.

"A culpa foi daquela serpente que você permitiu entrar em nosso Jardim, Adão" – redargüia ela, com veemência.

"E por causa dela e de sua falta de cuidado para comigo, perdemos tudo. Você não compreende que fui induzida em tudo?" – ela lamentava, já sem conseguir segurar o pranto.

Não, querido leitor ou leitora que me acompanharam até aqui. Eu jamais aconselhei Adão e Eva, como dei a entender, pela história acima. Ela apenas ilustrou o que se passou, perante Deus, lá no Jardim do Éden, com os nossos primeiros pais.

Coloquei-a aqui para demonstra que ainda hoje ela se repete e é por demais conhecida por todos os terapeutas e conselheiros matrimoniais.

E como no início, suas consequências continuam avassaladoras, se não houver um reconhecimento dos erros, um genuíno e mútuo pedido de perdão.

O reconhecimento dos erros, a aceitação das própria fragilidades, o pedir e o liberar perdão produzem aceitação, crescimento e maturidade emocional.

Quando isso acontece, a relação torna-se terna e compreensiva; a educação dos filhos, a dinâmica do lar, o trabalho, os negócios, os estudos; tudo isso passa por um "upgrade" abençoador.

Procure lembrar-se disso, antes de apontar o dedo, a próxima vez. É muito fácil colocar alguém na "cadeira dos réus", com acusações.

Mas, embora difícil, é um gesto muito nobre, que produz bênçãos maravilhosas, trocar de papéis e sentar-se, espontaneamente, lá.

Que a luz de Cristo ilumine nossas mentes e corações!

Tony Ayres

4 comentários:

  1. Navegando por ai achei seu blog. Surpresa boa. Vou segui-lo a partir de agora. Quando tiver um tempinho, vá visitar meu blog também, o Genizah.

    A paz!

    Danilo


    http://genizah-virtual.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá Antônio, já sou seguidora do seu blog, é uma benção.Estou precisando de livros que falam sobre cura interior, você pode me indicar alguns?
    A paz do Senhor!!

    ResponderExcluir
  3. Meu caro Danilo:

    Já visitei o seu blog e deixei lá algumas palavras. Sua visita aqui foi bênção para mim lá!

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  4. Querida Irmã Vanderléia:

    Obrigado por seu apoio,sendo seguidora e lendo os meus posts.

    Sobre o seu pedido, penso que o mais correto é indicar-lhes livros que já li.

    Na linha de auto-ajuda, os que mais me impactaram, foram:

    "Culpa e Graça", de Paul Tournier

    "Curas das Memórias", de James Dobson; e

    "Seu Deu é Pequeno Demais", de J. B. Phillips.

    Espero ter ajudado.

    Em Cristo.

    ResponderExcluir

Seu comentário será exibido após examinado pela moderação.